Saltar para conteudo
Visitar TBA
Anterior Anterior
22 - 24 Junho
Amador Savater

Workshop A líbido do capital (e a nossa) [Inscrições abertas]

No c.e.m.
Discurso

22 - 24 Junho

22, 23 e 24 junho
terça, quarta e quinta 10h30 às 12h30

Lotação limitada a 5 pessoas
Duração total: 6h
Em espanhol sem tradução

Discurso
Preço Entrada Livre mediante inscrição prévia com carta de apresentação (máximo 1 parágrafo) até 14 junhopara bilheteira@teatrodobairroalto.pt (lotação 5 pessoas)
c.e.m
Duração 6h

Apoios: Instituto Cervantes e c.e.m.

 

Condições de acesso
• À entrada do espaço de apresentação, será medida a temperatura sem registo, enquanto a medida for recomendada pelas autoridades de saúde.
• Em todos os espaços de apresentação é obrigatório o uso de máscara dentro do edifício antes, durante e depois das sessões.
• Desinfete as mãos e adote as medidas de etiqueta respiratória.
• Mantenha uma distância de segurança de 2 metros e evite o aglomerar de pessoas.
• Traga o seu bilhete de casa ou, caso tenha mesmo de comprar o bilhete na bilheteira, escolha o pagamento contactless por cartão de débito ou MBway.
• Coloque as máscaras e outros equipamentos de proteção descartáveis nos caixotes de lixo indicados.
• Nas entradas e saídas, siga as recomendações da equipa do TBA.
• Devido às indicações da Direção-Geral de Saúde, não é possível entrar na sala após o início da sessão ou alterar o seu lugar após indicação do mesmo pela Frente de Sala.

Investigador independente, ativista, editor, “filósofo pirata”, Amador Savater é autor de uma série de livros em que teoria crítica e ação política se fundem. Tem participado ativamente em diferentes movimentos coletivos. Dirigiu a Acuarela Libros e a revista Archipiélago e acaba de publicar Habitar y gobernar; inspiraciones para una nueva concepción política (Ned ediciones, 2020). Os seus trabalhos podem ser consultados em filosofiapirata.net.

Em 1974, num livro impossível, delirante e genial, o filósofo francês Jean-François Lyotard propôs pensar o capitalismo como uma “economia libidinal”. Ou seja, sujeita aos mesmos dois princípios que regem as pulsões inconscientes e o desejo segundo Freud: Eros e pulsão de morte. Através de sugestivas analogias com práticas sexuais históricas, Lyotard desdobra esta intuição da economia política enquanto “economia libidinal” com uma potência visionária e inspiradora que pode ajudar-nos a apreender melhor alguns dos fenómenos que atravessam a nossa vida quotidiana: a gentrificação, o fracking, o desejo posto ao serviço do trabalho, a espoliação e expropriação dos bens comuns, etc. Com a ajuda de ferramentas conceptuais vindas de Lyotard (cuja leitura não é necessária para a assistência do workshop) propõe-se pensar o capitalismo enquanto economia libidinal e imaginar formas adequadas de resistência, sabotagem e interrupção.

Este teatro tem esta newsletter
Fechar Pesquisa