Saltar para conteudo
Visitar TBA
Anterior Anterior
09 - 11 Fevereiro
Luísa Saraiva

Tirana

12 eur.
Artes Performativas

09 - 11 Fevereiro

quinta a sábado 19h30

ACESSIBILIDADE
11 fevereiro 19h30
Sessão com Audiodescrição

Artes Performativas
Preço 12 eur.
Integrado no Passe Cultura (apenas disponível na Bilheteira do TBA)
Sala Principal

Classificação Etária:

M/6

Coreografia e direção artística
Luísa Saraiva
Instrumentos e instalação sonora
Inês Tartaruga Água
Performance
Alice Heyward, Fabíola Augusta, Luisa Fernanda Alfonso e Luísa Saraiva
Ouvido externo e apoio à dramaturgia
Francisco Antão Pesquisa Alice Heyward, Luísa Saraiva e Julius Gabriel
Figurinos
Isabelle Lange
Desenho de luz
Thaís Nepomuceno
Pesquisa e treino de respiração
Sudeep Kumar Puthyaparambath
Treino vocal
Fabíola Augusta
Direção de produção
Apricot Productions e Joana Silva
Agradecimentos
Grupo de Folclore Terras de Arões, Grupo de Cantares do Paúl, Arnaldo Saraiva, Niklaus Bein e Alex Sandro Malheiro
Produção
Crybaby GbR e Associação Calote Esférica
Coprodução
Teatro do Bairro Alto, Fundação de Serralves e Museum Folkwang
Apoio financeiro
Nationales Performance Netz Stepping Out financiado por Minister of State for Culture and Media no âmbito da iniciativa NEUSTART KULTUR, Assistance Program for Dance, Kunststiftung NRW, República Portuguesa – Cultura / Direção-Geral das Artes e Kulturamt der Stadt Essen
Apoio
CAMPUS Paulo Cunha e Silva

Na sua prática artística, a coreógrafa e bailarina portuense LUÍSA SARAIVA recorre a uma abordagem transdisciplinar na investigação do movimento, da linguagem e do som. Em 2018 recebeu o prémio Ground Support NRW com a peça A CONCERT em colaboração com Lea Letzel. Na temporada de 2019-2020, foi uma das coreógrafas em residência no K3 – Zentrum für Choreographie|Tanzplan em Hamburgo.

Comprar
Bilhetes Bilhetes Bilhetes Bilhetes

Tirana é uma coreografia sonora imersiva que explora a fisicalidade do limite da voz feminina. Através de canções populares portuguesas e repertório polifónico feminino sobre temas como a maternidade, violência e trabalho, a peça aborda questões de género na produção e interpretação do som. A atenção à natureza táctil do som e à relação entre corpo e espaço é capturada num objeto/escultura que opera como instrumento musical desenhado exclusivamente para esta obra pela artista sonora Inês Tartaruga Água. Ao criar paisagens sonoras e de movimento, procura-se mapear as fronteiras entre a respiração, o som e o canto.

 

Tirana:
Tipo de fandango
Antiga canção popular espanhola de movimento moderado e ritmo sincopado e ternário,
que começa com as palavras “¡Ay, tirana, tirana!” Mulher ingrata, esquiva ou má
Mulher cruel

Comprar
Este teatro tem esta newsletter
Fechar Pesquisa