Saltar para conteudo
Visitar TBA
Anterior Anterior
10 Setembro
Luís Trindade e José Marmeleira

Silêncio Aflito

Entrada livre
Discurso
Práticas de leitura

10 Setembro

sábado 16h

Preço Entrada livre (sujeita à lotação) mediante levantamento prévio de bilhete (máximo de 2 por pessoa) na bilheteira no próprio dia a partir das 15h
Sala Manuela Porto
Duração 2h

Luís Trindade

Luís Trindade é doutorado em história contemporânea pela Universidade Nova de Lisboa. É professor na Faculdade de Letras e vice-coordenador do Centro de Estudos Interdisciplinares da Universidade de Coimbra. Lecionou igualmente no Birkbeck College da Universidade de Londres, entre 2007 e 2019. Tem desenvolvido investigação na área da história cultural, em particular sobre a história do nacionalismo, da imprensa, do cinema, do neo-realismo, da música popular e dos intelectuais no século XX em Portugal. Entre as suas publicações, conta-se O Estranho Caso do Nacionalismo Português. O Salazarismo entre a literatura e a política (2008) e Narratives in Motion. Journalist and modernist events in 1920s Portugal (2016) e Silêncio Aflito. A sociedade portuguesa através da música popular (dos anos 40 aos anos 70) (2022).

José Marmeleira

Mestre em Comunicação, Cultura e Tecnologias da Informação (ISCTE), foi bolseiro da Fundação Para a Ciência e a Tecnologia (FCT) e no Programa Doutoral em Filosofia da Ciência, Tecnologia, Arte e Sociedade da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, no âmbito do qual realizou a tese O Ser da Arte no Mundo de Hannah Arendt, que defenderá neste ano. Desenvolve, também, a atividade de jornalista e crítico cultural independente no Ípsilon, suplemento do jornal Público, e na revista Contemporânea. É Professor Adjunto Convidado na Escola Superior de Artes e Design – Politécnico de Leiria.

Pela mão de Luís Trindade e José Marmeleira a prática da leitura faz-se prática de escuta dando a ver a sociedade portuguesa dos anos 1940 aos anos 1970 através da música popular. O pretexto é o mais recente livro de Luís Trindade, Silêncio Aflito, editado pela Tinta da China, em que o autor se debruça sobre a canção entendida como um objeto único para quem queira reconstituir os contextos históricos e as estruturas sociais da sua circulação. Poucos objetos culturais circulam tanto como uma canção. Desde que alguém a canta, e por vezes grava, até que alguém a ouve (cantando-a muitas vezes também), a canção anda pela rua, pela rádio, em concertos, é mostrada na televisão e no cinema, guarda-se em discos e noutros suportes de gravação. Nas páginas de Silêncio Aflito, os protagonistas são não só os intérpretes das canções mas também todas aquelas que as ouviram e cantaram, a sós ou em grupo, numa qualquer ocasião das suas vidas, tornando esses momentos banais nos verdadeiros acontecimentos da história que aqui se quer contar.

 

Práticas de Leitura são encontros de regularidade incerta em torno de publicações entusiasmantes porque urgentes, interessantes, desarmantes ou prementes, autoeditadas ou não. Nestes encontros, trata-se de ler e conversar sobre o que se lê. Alguns encontros contam com a presença de quem escreveu e editou.

 

Este teatro tem esta newsletter
Fechar Pesquisa