Saltar para conteudo
Visitar TBA
Anterior Anterior
13 Março
Ana Estevens

Práticas de Leitura: Atlas das Utopias Reais

Entrada livre
Discurso
Práticas de leitura

13 Março

sábado 13 março 15h

Preço Entrada livre (sujeita à lotação) mediante inscrição prévia para o e-mail bilheteira@teatrodobairroalto.pt
Sala Manuela Porto
Duração 2h

Como nasceu a ideia de fazer esta publicação? Porquê?

A ideia de publicarmos este Atlas das Utopias surgiu durante um projeto de investigação financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia: RUcaS – Utopias Reais em Espaços Socialmente Criativos (PTDC/CS-GEO/115603/2009). Este é um trabalho coletivo que envolveu toda a equipa do projeto e três dos seus consultores (Teresa Barata-Salgueiro – IGOT –ULisboa, Frank Moulaert  e Juan-Luis Klein) que trabalharam sobre a cidade e o papel da arte e da criatividade na sua produção. As experiências relatadas nesta publicação são muito variadas e tiveram impactos muito distintos.

Este trabalho foi, posteriormente, aceite para publicação pelas Edições Outro Modo, Le Monde Diplomatique – edição portuguesa.

Quanto tempo demoraram a faze-la, conseguem contar-nos um pouco o processo e as suas condições?
 O projeto de investigação através do qual pensámos este Atlas teve um financiamento para três anos. Durante esse período realizámos trabalho de campo em quatro territórios com características bastante distintas: Mouraria e LxFactory em Lisboa, Vale da Amoreira no concelho da Moita e em Montemor-o-Novo. O trabalho de campo consistiu na aplicação de metodologias de investigação que se entrecruzaram (observação, observação participante, entrevistas, questionários, focus group) com o objetivo de respondermos a duas questões: i) O que dão os artistas ao lugar?; ii) O que dá o lugar aos artistas?

Através destes quatro espaços quisemos “compreender os processos que desencadeiam as práticas (…) porque possibilitam o enquadramento das ideias e das ações no seu contexto temporal e geográfico” (André, 2016: 62). Deste modo foi possível olhar para a diversidade dos territórios: o centro histórico da cidade de Lisboa (Mouraria), um brownfield – antiga área industrial atualmente abandonada (LxFactory), um subúrbio socialmente desfavorecido e localizado na margem sul da metrópole de Lisboa (Vale da Amoreira) e uma pequena cidade numa área rural relativamente próxima de Lisboa (Montemor-o-Novo). Claro que se voltássemos a fazer o mesmo exercício neste momento (7 anos depois) o ponto de chegada não seria o mesmo. As transformações económicas, sociais e políticas dos últimos anos tiveram grande impacto nestes territórios. Algumas já se perspetivavam, mas outras foram maiores do que o previsto.

Para além destes quatro casos, este Atlas centra-se, também, numa dimensão contestatária, a que chamámos “Descontentamento criativo” que está associada às artes. Assim, debruçámo-nos sobre as “Expressões artísticas do descontentamento” onde através do discurso é possível chegar-se a práticas mais democráticas que reflitam novas visões culturais e políticas, despertem a consciência cívica, lutem contra a inércia e a ordem estabelecida ou aumentem a visibilidade do movimentos sociais; sobre as geografia contestatária republicana na literatura, onde Aquilino Ribeiro teve um papel de destaque; e sobre a street art de uma cidade de Lisboa em crise, onde se pôde observar a cartografia dos murais, graffitis, stencils e colagens.

 

Que mais tinham pensado que coubesse nesta edição e acabou por não caber? Porquê?
Tratando-se de um projeto de investigação, a informação recolhida é sempre muita e é difícil compila-la numa única publicação. Ao longo dos três anos do projeto foi feita a divulgação de muito do trabalho que estava a ser desenvolvido em conferências ou em artigos publicados em revistas. Mesmo assim, ficou muito material por ser tratado. Por exemplo, entrevistas. Temos entrevistas que mereciam ser publicadas. Contudo, devido a condicionamentos de espaço e de custos que uma publicação deste tipo exige, estas não puderam ser publicadas.

 

Contam fazer mais edições? Qual a regularidade do projeto?
Este foi um projeto com um financiamento para três anos e que acabou. Contudo, a pesquisa sobre a temática em causa não se ficou pelos três anos de financiamento. Outros projetos surgiram, como o projeto Ágora – Encontros entre a cidade e as artes, que terminou no passado mês de dezembro. No entanto, esta cadência, nem sempre certa, dificulta a continuidade de um trabalho mais aprofundado, a par de questões de precariedade laboral que, também, estão bastante presentes nas carreiras artísticas. A falta de um pensamento/planeamento de futuro leva a que algumas barreiras sejam colocadas no desenvolvimento de trabalhos de investigação deste género.

Como tem corrido a distribuição? Onde se pode encontrar?
Este Atlas foi distribuído em outubro de 2016 com o jornal Le Monde Diplomatique – edição portuguesa. Interessava-nos ter um público mais vasto que o académico e uma divulgação mais democrática do trabalho científico que se realiza dentro da universidade. Quisemos que este trabalho saísse do espaço académico e encontrasse outros interessados pelo tema.

O Altas esteve à venda por todo o país nos quiosques e bancas de jornais quando o publicámos e, posteriormente, ficou à venda na rede de “Livrarias Amigas” da cooperativa Outro Modo, em feiras e em venda direta através da cooperativa. No momento da sua publicação fizemos algumas apresentações e discussões sobre o Atlas.


Que comentários têm tido?
Quando fizemos as apresentações do Atlas foi curioso perceber o interesse de um público não académico por estas questões e compreender que as dinâmicas que nos interessaram tratar nesta publicação têm fronteiras mais amplas do que julgávamos possível. Abrir o debate para fora da academia é um processo em curso que devia ser mais trabalhado e incentivado. Quando o discurso se fecha entre pares torna-se vazio e acrítico, não possibilitando outras abordagens e utopias.

Condições de acesso
• À entrada do Teatro, será medida a temperatura sem registo, enquanto a medida for recomendada pelas autoridades de saúde.
• Tanto no TBA como no c.e.m., é obrigatório o uso de máscara dentro do edifício antes, durante e depois das sessões.
• Desinfete as mãos e adote as medidas de etiqueta respiratória.
• Mantenha uma distância de segurança de 2 metros e evite o aglomerar de pessoas.
• Traga o seu bilhete de casa ou, caso tenha mesmo de comprar o bilhete na bilheteira, escolha o pagamento contactless por cartão de débito ou MBway.
• Coloque as máscaras e outros equipamentos de proteção descartáveis nos caixotes de lixo indicados.
• Nas entradas e saídas, siga as recomendações da equipa do TBA.
• Devido às indicações da Direção-Geral de Saúde, não é possível entrar na sala após o início da sessão ou alterar o seu lugar após indicação do mesmo pela Frente de Sala.

Nesta sessão de Práticas de Leitura, a conversa é sobre o Atlas das Utopias Reais: Criatividade, Cultura e Artes, com a presença da geógrafa e editora Ana Estevens. Numa altura de incerteza como a que estamos a viver atualmente, as utopias ganham outro significado. “De que modo podemos pensar as cidades para que estas possam ser vividas em qualquer altura?” é uma pergunta que persiste. A cultura e as artes podem ser um importante elemento para esta discussão e este atlas pode dar-nos algumas pistas de bons exemplos.
Os diversos capítulos deste atlas, editado por Ana Estevens com Isabel André e Leandro Gabriel, seguem um trajeto que parte de uma breve reflexão sobre o significado das utopias reais e a sua ligação à geografia emocional, tão nitidamente expressa através das marcas que a criação artística imprime nas paisagens. Num segundo momento, são apresentadas, em grandes traços, as ligações entre a arte e o território, quer através da localização das artistas e das práticas artísticas, quer indiretamente por via das suas várias expressões e impactos espaciais na regeneração e dinamização das cidades, na requalificação do espaço público, na configuração dos mercados ou nas estratégias de desenvolvimento local. No percurso seguinte, são detalhados cinco espaços socialmente criativos que permitem identificar com maior precisão as práticas e os processos que produzem este tipo de meios desde Lisboa a Montreal. Na última etapa do trajeto, é lançado um olhar ao futuro, sendo comentado o papel do ensino artístico e revelada a faceta insurgente das artes e a sua importância no campo da inovação socioterritorial.

Espetáculo - Lessons on Logistics

27 - 28 Janeiro
Sandro Mezzadra

Lessons on Logistics

Entrada Livre
Discurso
Programa Digital

Espetáculo - Workshop A líbido do capital (e a nossa) [Cancelado]

02 - 04 Fevereiro
Amador Savater

Workshop A líbido do capital (e a nossa) [Cancelado]

Entrada Livre
Discurso
Cancelado Cancelado Cancelado Cancelado Cancelado

Espetáculo - Há algo de irreversível no ar: notas para descolonizar o inconsciente

03 Fevereiro
Suely Rolnik

Há algo de irreversível no ar: notas para descolonizar o inconsciente

Entrada Livre
Discurso
Programa Digital

Espetáculo - A revolução ainda é desejável?

06 Fevereiro
Amador Savater

A revolução ainda é desejável?

Entrada Livre
Discurso
Programa Digital

Espetáculo - Um, Dois, Muitos: O Um [Cancelado]

13 Fevereiro
Marta Wengorovius

Um, Dois, Muitos: O Um [Cancelado]

Entrada Livre
Discurso
Cancelado Cancelado Cancelado Cancelado Cancelado

Espetáculo - Práticas de Leitura

20 Fevereiro
Stones against diamonds

Práticas de Leitura

Entrada Livre
Discurso
Práticas de leitura

Espetáculo - HISTÓRIAS DO EXPERIMENTAL: “O Outro Teatro”: teatro experimental em Portugal

27 Março
André e. Teodósio/Teatro Praga

HISTÓRIAS DO EXPERIMENTAL: “O Outro Teatro”: teatro experimental em Portugal

Entrada Livre
Discurso
Histórias do Experimental

Espetáculo - HISTÓRIAS DO EXPERIMENTAL: Artes de la escena y de la acción en España: 1978-2002

30 Março
ARTEA

HISTÓRIAS DO EXPERIMENTAL: Artes de la escena y de la acción en España: 1978-2002

Entrada Livre
Discurso
Programa Digital
Este teatro tem esta newsletter
Fechar Pesquisa