Saltar para conteudo
Visitar TBA
Anterior Anterior
23 Setembro
Britt Hatzius

Audiodescrição como ferramenta performativa

Passe 3 sessões 7 eur
Dança
Pensar a Audiodescrição em Dança

23 Setembro

sexta 10h – 14h

Destinado a audiodescritores, bailarinos, coreógrafas, artistas em geral e público interessado em audiodescrição.

•O acesso ao TBA deve fazer-se pela Entrada de Artistas situada no Largo Hintze Ribeiro, junto à Rua de São Bento.
•O acesso faz-se através de um portão cinzento (junto ao número 6).
•Pessoas com cadeira de rodas deverão solicitar acompanhamento do Vigilante através do vídeo-porteiro para atravessamento do logradouro. Para aceder à Sala de Ensaios, existe ainda um lance de escadas.
•No piso da Sala de Ensaios, existe um WC acessível.
•Para questões específicas de mobilidade, por favor entre em contacto com bilheteira@teatrodobairroalto.pt.

Dança
Pensar a Audiodescrição em Dança
Preço Preço por sessão 3 eur. Passe 3 sessões 7 eur.
Sala de Ensaios
Duração 4h

Curadoria Ana Rita Teodoro
Com o apoio de Henrique Neves
Produção Associação Parasita / Carolina Gameiro e Lysandra Domingues
Apoio República Portuguesa – Cultura | Direção-Geral das Artes

Programa Pensar a audiodescrição em Dança

Encontro
23 Setembro
sexta 10h – 14h
Sessão de escuta de audiodescrições com a participação da APEDV
Britt Hatzius. Audiodescrição como ferramenta performativa 

Workshop
24 Setembro
sábado 10h – 14h
Valérie Castan. Experimentar com a descrição 

Conferência
24 Setembro
sábado 16h
Eliana Franco. A audiodescrição em dança como processo contínuo de interação, investigação e evolução. 
Duração 90 min.

Workshop
25 Setembro
domingo 10h – 14h
Mariana Rodrigues. Movimento e escrita criativa
Eliana Franco. Sensibilização à audiodescrição para dança

Conferência
25 Setembro
domingo 16h
Valérie Castan. Audiodescrição de espetáculos coreográficos 
Duração 2h

APEDV – Associação Promotora de Emprego de Deficientes Visuais, é uma associação sem fins lucrativos. Dispõe de um Centro de Formação Profissional, um Centro de Actividades Ocupacionais e uma Unidade de Apoio.

Britt Hatzius trabalha com vídeo, som e performance, explorando ideias em torno da linguagem, da interpretação e do potencial para discrepâncias, rupturas, desvios e (falhas de) comunicação. Em 2020 fundou a Vision Inclusive, uma iniciativa que procura juntar pessoas com e sem deficiências numa parceria igualitária, para construir e promover uma cultura de abertura. www.visioninclusive.org

A audiodescrição é um processo de acessibilidade que consiste em descrever verbalmente uma obra para pessoas cegas e com baixa visão. A audiodescrição em dança coloca diversas questões, uma vez que ela é em si abstrata, isto é, não existe na maioria das vezes um guia de texto e/ou uma dramaturgia clara (uma narrativa) que conduza a espectadora. Que vocabulário escolher para descrever as referências visuais, os movimentos, as ações complexas? Como invocar a emoção no espectador quando este pode não ter referências visuais e corporais possíveis na sua memória e imaginário em relação à dança?

Sob a curadoria da bailarina e coreógrafa Ana Rita Teodoro, apresenta-se um programa de conferências, workshops e encontros com o intuito de lançar a pista de que a audiodescrição para a dança pode ser pensada como um projeto de investigação entre artistas, audiodescritores e o público em questão.

A dança e as artes performativas interdisciplinares têm-se interessado pela questão da acessibilidade com uma dimensão criativa, o que verificamos nos trabalhos de artistas como Valérie Castan e Britt Hatzius, que usam a audiodescrição como uma ferramenta performativa e, por vezes, política. Trazer estes exemplos é poder, eventualmente, pensar numa acessibilidade que seja, em si própria, parte integrante do processo criativo das obras artísticas.

 

Sessão de escuta de audiodescrições com a participação da APEDV
Escuta de uma série de excertos de audiodescrição, paisagens sonoras e podcasts em conjunto com um grupo de associados da APEDV. Seguida de uma conversa sobre as impressões e questões levantadas.

 

Britt Hatzius

Audiodescrição como ferramenta performativa
Apresentação e partilha de excertos dos trabalhos performativos de Britt Hatzius relacionados com a audiodescrição, incluindo Blind Cinema (2015), In Order Not To Be There (2017), Listening Distance (2019), em colaboração com o investigador e ativista cego Thomas Tajo, e o seu projeto atual em torno da Self-Audio-description em colaboração com a bailarina cega Krishna Washburn.

Em inglês.

Este teatro tem esta newsletter
Fechar Pesquisa