Saltar para conteudo
Visitar TBA
Anterior Anterior
21 Janeiro
José Gil e Ana Godinho com André Lepecki e Vera Mantero

À volta de Exhausting Dance

Entrada livre (sujeita à lotação)
Discurso
Esgotado Esgotado Esgotado Esgotado Esgotado

21 Janeiro

sábado 18h30

Discurso
Preço Entrada livre (sujeita à lotação) mediante levantamento prévio de bilhete (máximo de 2 por pessoa) na bilheteira no próprio dia a partir das 15h
Sala Manuela Porto
Duração 2h

Produção
O Rumo do Fumo
Imagem
Untitled, 2009 (Walter Carter in Ralph Lemon’s 1856 Cessna Road), cortesia do artista

JOSÉ GIL é filósofo, ensaísta e professor universitário. Foi Directeur de Programme do Collège Internacional de Philosophie de Paris e é autor dos livros Fernando Pessoa ou a Metafísica das Sensações, Movimento Total – O Corpo e a Dança, A Imagem-nua e as Pequenas Percepções – Estética e Metafenomenologia, entre outros. Em 2005, foi considerado pelo Nouvel Observateur um dos 25 pensadores mais relevantes da atualidade. As suas obras foram publicadas em vários países.

ANA GODINHO é professora de Filosofia, investigadora integrada do Instituto de Filosofia da Nova, com Doutoramento e Pós-doc em Filosofia. Publicou Linhas de Estilo – Estética e Ontologia em Gilles Deleuze; O Humor e a Lógica dos Objectos de Duchamp (com José Gil) e vários ensaios.

VERA MANTERO estudou dança clássica com Anna Mascolo e integrou o Ballet Gulbenkian entre 1984 e 1989. Tornou-se um dos nomes centrais da Nova Dança Portuguesa, tendo iniciado a sua carreira coreográfica em 1987 e mostrado o seu trabalho por toda a Europa, Argentina, Uruguai, Brasil, Canadá, Coreia do Sul, EUA e Singapura.

 

ANDRÉ LEPECKI é Professor Catedrático na New York University, onde coordena o Departamento de Estudos da Performance na Tisch School of the Arts. Doutorado pela NYU, é autor de vários livros sobre teoria da dança e da performance. Nos anos 1980 e 1990 colaborou como dramaturgista com Vera Mantero, Francisco Camacho, João Fiadeiro e Meg Stuart. Como curador independente criou projetos para várias instituições, por todo o mundo. Desde 2003, colabora com Eleonora Fabião em algumas de suas ações e performances.

Escreveu a artista e investigadora Ana Dinger, em outubro de 2021:

“Há uma prateleira, na minha estante de livros, ocupada por livros que o André Lepecki escreveu, organizou ou coorganizou ou em que de outro modo participou. O Exhausting Dance e o Singularities, claro, mas também compilações como The Senses in Performance, The Presence of the Body, Planes of Composition, Move – Choreographing You ou, ainda, Points of Convergence, Post-Dance, Perform Repeat Record, The Sentient Archive, Is the Living Body the Last Thing Left Alive?

Esta lista de títulos, despojada dos seus subtítulos, está longe de ser exaustiva, mas é suficiente para oferecer uma espécie de paisagem. Uma paisagem de problemas. Uma paisagem de problemas a habitar. E que eu habito.

O critério para a reunião desses livros (e problemas) numa mesma prateleira é o que vou chamar vizinhança. Uma vizinhança prévia a terem sido justapostos por uma proximidade física que a duplica. Uma vizinhança que talvez também possa ser entendida como afinidade. Ou até, arrisco, contiguidade. É também assim que tenho encarado o trabalho do André Lepecki, um transbordamento de texto para texto, uma conversa que continua, com múltiplas variações e combinações, e constantes atualizações… Neste sentido, talvez aconteça que, ao citar um desses textos, convoquemos todos os outros. […]

(Como os textos de Lepecki conversam uns com os outros, também a conversa com eles e sobre eles se expande multidirecionalmente. Reconheço-os reiteradamente como elo, como lugar de encontro  ̶  não necessariamente consenso  ̶ , como matéria de imaginação ou ‘coimaginação’ ̶ e atalho aqui, para que a última palavra, por agora, seja de Lepecki: ‘coimaginação’).”

 

A ocasião para a escrita deste excerto, que na altura foi lido e que aqui se republica, era a sessão Olhar para a dança não apenas dentro dos parâmetros da dança: André Lepecki, coreopolíticas e imaginação de mundo, em que uma série de artistas e investigadoras discutiram a importância da obra de Lepecki no seu próprio percurso. A atual sessão prolonga esta primeira, afunilando-a em direção à obra Exhausting Dance: Performance and Politics of Movement que José Gil e Ana Godinho debaterão, no plano teórico da teoria crítica da dança e no plano atual, discutindo algumas questões levantadas pelo autor, assim como a importância das teses apresentadas.

Prolongando a sessão Olhar para a dança não apenas dentro dos parâmetros da dança: André Lepecki, coreopolíticas e imaginação de mundo, que teve lugar em outubro de 2021 no TBA, os filósofos José Gil e Ana Godinho procurarão, através de um comentário sucinto do livro Exhausting Dance: Performance and Politics of Movement de Lepecki, debater, no plano teórico da teoria crítica da dança e no plano atual, algumas questões levantadas pelo autor, assim como a importância das teses apresentadas. Esta conferência, a que se segue uma conversa com o professor e curador André Lepecki e com a coreógrafa Vera Mantero, continua um trabalho em volta da tradução e edição em Portugal desta obra fundamental dos estudos de dança, traduzida em onze línguas.

Este teatro tem esta newsletter
Fechar Pesquisa