Saltar para conteudo
Visitar TBA
Anterior Anterior
08 - 18 Julho
Thornton Wilder / Auéééu, Os Possessos e Teatro da Cidade

A Nossa Cidade

Novas datas
Teatro

08 - 18 Julho

8 a 18 julho 2021 (exceto 12)
quinta a sábado 19h
domingo 17h


CLUBE ESPECTADOR DIGITAL
CANCELADO
21 janeiro 18h
No Zoom do TBA com José Maria Vieira Mendes

SESSÃO ACESSÍVEL
NOVA DATA
18 julho 17h
Sessão com audiodescrição e interpretação em Língua Gestual Portuguesa

Teatro
Preço 12€
Menores de 25 anos: 5€

Sala Principal
Duração 2h30

Classificação Etária:

M/12

Texto Our Town (1938) de Thornton Wilder
Criação e produção Os Possessos, Auéééu – Teatro e Teatro da Cidade
Tradução João Pedro Mamede e Catarina Rôlo Salgueiro
Criação e interpretação Beatriz Brás, Catarina Rôlo Salgueiro, Filipe Velez, Guilherme Gomes, Leonor Buescu, Isabel Costa, João Silva, Joana Manaças, Miguel Cunha, Nídia Roque e Sérgio Coragem
Produção Raquel Matos
Estagiária de apoio à criação e assistente de produção Joana Silva
Desenho e operação de luz Rui Seabra
Desenho de som André Carinha Mateus e José Neves
Operação de som André Carinha Mateus
Cenografia, adereços e figurinos Bruno Bogarim
Coprodução Teatro do Bairro Alto e Teatro Viriato
Residência de produção O Espaço do Tempo
Projeto apoiado pela República Portuguesa – Cultura / Direção-Geral das Artes
Fotografias Bruno Simão

 

REAGENDAMENTO

Depois de um período de obras, o TBA iria regressar ao lugar no dia 15 janeiro. No entanto, na sequência das mais recentes medidas de contenção da pandemia do vírus Covid-19 anunciadas pelo Governo, teremos de adiar a nossa reabertura. Assim, o espetáculo A Nossa Cidade de Thornton Wilder/Auéééu, Os Possessos e a Teatro da Cidade é reagendado para as seguintes datas:

8 a 18 julho 2021 (exceto 12)
quinta a sábado 19h • domingo 17h
Sessão com audiodescrição e interpretação em Língua Gestual Portuguesa a 18 julho 17h

 

Devolução de bilhetes

Caso já tenha adquirido bilhete, o seu bilhete fica automaticamente válido para a sessão do mesmo dia da semana que já adquiriu. Caso não tenha disponibilidade e deseje a devolução dos bilhetes, pedimos-lhe que solicite o reembolso dos bilhetes diretamente no ponto de venda onde foram adquiridos.

 

Como contactar os diferentes pontos de venda

  • Se adquiriu o seu bilhete através da BOL, contacte ajuda@bol.pt | 214 160 350.
  • Se adquiriu o seu bilhete através da FNAC, Worten, CTT ou ABEP, por favor dirija-se a estes pontos de venda.
  • Caso tenha adquirido o seu bilhete através das bilheteiras físicas do São Luiz Teatro Municipal ou do LU.CA – Teatro Luís de Camões, envie um e-mail para bilheteira@teatrodobairroalto.pt

A companhia auéééu – Teatro, fundada em 2014, é constituída por um grupo de oito atores licenciados pela ESTC, de diversas idades e zonas geográficas do país. A companhia ambiciona desenvolver uma dramaturgia de autoria própria baseada no diálogo entre vários ramos do saber e no cruzamento de várias linguagens artísticas e não-artísticas. Após o exercício final da licenciatura, intitulado Falta Tinta Vermelha, o grupo decidiu dar continuidade ao seu trabalho, apresentando este espetáculo em contexto profissional. Nos anos seguintes, o grupo apresentou o espetáculo Tradição, tendo vindo a integrar mais tarde o Ciclo Recém-Nascidos’16 no TNDMII. Iniciou, em 2016, com o grupo de dança Espaço Neutro, uma criação a partir da Ilíada, de Homero, que deu origem à primeira parte da trilogia 9 Anos Depois. A segunda parte, já sem a colaboração do Espaço Neutro, foi apresentada em 2017 e obteve o apoio à circulação por parte da Fundação GDA, tendo vindo a ser realizada em 2018. Estreou em 2019 o espetáculo – Um Passo Atrás, cujo apoio à criação, fornecido pela Fundação GDA e pela SPA, proporcionou um processo no qual se inseriram residências ao longo do país e um Ciclo de Inúteis Conversas organizado na Livraria Ferin.

Fundados em 2013 por Catarina Rôlo Salgueiro, João Pedro Mamede e Nuno Gonçalo Rodrigues, Os Possessos são um coletivo artístico que reúne pessoas de diversas áreas (teatro, cinema, música, ciência e literatura). Atualmente com sete elementos, Os Possessos trabalham em torno de projetos teatrais e performativos, tendo por base narrativas universais e a criação de uma ficção comum sobre a realidade entre os artistas e o público. Desde 2013, apresentaram os espetáculos Hanzel e Gretel (2013), Rapsódia Batman (2014), II – A Mentira (2015), MarchaInvencível (2017) e O Novo Mundo (2018). Para além dos espetáculos, contam ainda com várias performances e ações de curta duração
tais como: E uma criança a ver… (2012), Speed – 8 (2015), Acção Adiada (2015), Janeiras (2016), O Tempo é uma Pastilha Elástica (2017), e Projecto Manifesta (2017).

O Teatro da Cidade foi fundado em 2015, e tem como membros fundadores Bernardo Souto, Guilherme Gomes, João Reixa, Nídia Roque e Rita Cabaço. Em 2016 estreia-se com Os Justos, de Albert Camus, no Teatro do Bairro Alto. Em 2017 estreia Topografia, uma criação coletiva a partir do conceito de Comunidade, apresentado no Espaço da Ribeira – Primeiros Sintomas, Festival de Almada, TNDMII II, no ciclo Recém-Nascidos, e na Mostra de Teatro do Teatro Experimental de Cascais: Mostra-T; e Orfeu e Eurídice e Paragem 28 para a mostra Noites Curtas n’A Cidade PreOcupada, organizada pelo Projecto Ruínas, em Montemor-o-Novo. Em 2018 estreia, no CAL – Primeiros Sintomas, Que boa ideia, virmos para as montanhas, texto e encenação de Guilherme Gomes, a partir de uma música de Leonard Cohen (“Famous Blue Raincoat”), que fará parte da programação do Festival de Almada 2019; e cria um ciclo de 4 conversas-encontro chamado Água Nova Para As Mesma Margens, para a reflexão a partir de textos filosóficos portugueses. Em 2019 cria pela primeira vez um espetáculo a pensar no público infantil, Agora, que o carro do sol já passou, um texto de Guilherme Gomes, a partir das Metamorfoses de Ovídio, encenação de Nídia Roque e Coprodução do Museu da Marioneta, onde estreou. Apresentam recentemente a sua quinta produção em coprodução com o TNDMII – karōshi – uma criação coletiva em que pretendem explorar os limites do humano face ao excesso de trabalho nos dias de hoje.

Comprar
Bilhetes Bilhetes Bilhetes Bilhetes

“É uma das peças mais duras, tristes e brutais com que já me deparei. E é tão bela, e quando é cómica é gloriosamente cómica. (…) Há cenas em A Nossa Cidade em que é difícil para mim pensar sem ter vontade de chorar. (…) É provavelmente a melhor peça americana escrita até agora.”

Edward Albee, 2011

 

Neste clássico da dramaturgia experimental, um diretor de cena apresenta-nos com precisão, compaixão e ironia as ruas e pessoas de Grover’s Corners, cidadezinha fictícia de Nova Inglaterra no início do século XX. Mas este retrato tão específico pode ser uma maneira de falar de coisas talvez universais: a experiência humana do tempo; o quotidiano, o amor e a morte.

Em março de 1964, a estreia de uma produção de Our Town em Anchorage, no Alasca, foi cancelada por causa de um fortíssimo terramoto; em março de 2020, foi uma pandemia que adiou A Nossa Cidade. Este espetáculo, que agora finalmente estreia, junta pela primeira vez três jovens companhias de Lisboa. Num gesto que não pode deixar de ser de resistência, desenham uma cidade a várias mãos para nos vermos nela. A força deste encontro nasce de uma vontade de questionamento, diálogo e observação conjunta sobre a forma como cada companhia e cada um de nós está – no teatro e na cidade.

Comprar
Este teatro tem esta newsletter
Fechar Pesquisa