logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo
Teatro do Bairro Alto Teatro do Bairro Alto Teatro do Bairro Alto Teatro do Bairro Alto Teatro do Bairro Alto Teatro do Bairro Alto Teatro do Bairro Alto Teatro do Bairro Alto Teatro do Bairro Alto Teatro do Bairro Alto
arrow-left arrow-left
Joana Braga
A cada passo, uma constelação
26 Outubro
Performance
Joana Braga
A cada passo, uma constelação
26 Outubro
Performance
Joana Braga
A cada passo, uma constelação
26 Outubro
Performance
Joana Braga
A cada passo, uma constelação
26 Outubro
Performance
26 Outubro
Joana Braga

A cada passo, uma constelação

Entrada livre (mediante inscrição)
Performance

26 Outubro

Nova data
Sábado 15h às 19h

Ponto de encontro: Praça Eduardo Mondlane, no jardim central perto do coreto (Bairro do Condado, Zona J). Percurso individual com levantamento de mapa no ponto de encontro.

Entrada livre mediante inscrição para bilheteira@teatrodobairroalto.pt (máximo 80 pessoas)

Performance
Preço Entrada livre (mediante inscrição)
Duração 2h15

Direção artística: Joana Braga

Criação: Andresa Soares, Fernando Ramalho, Flora Paim, Joana Braga, Tânia Moreira David

Vídeo: Tânia Moreira David

Som: Fernando Ramalho

Texto: Joana Braga

Design gráfico: Ana Teresa Ascensão

Produção executiva: Sara Goulart

Coprodução: Artéria | Humanizing Architecture, Teatro do Bairro Alto

A cada passo, uma constelação faz parte de Matéria para Escavação Futura, com curadoria de Joana Braga e Ana Jara, projecto que explora a caminhada como forma de pesquisa e prática artística, financiado pela República Portuguesa / Direção-Geral das Artes

Devido às previsões metereológicas para sábado, dia 19, este percurso foi adiado para dia 26 outubro. Para mais informações, contacte a nossa bilheteira.

 

Tenho vindo a atentar aos gestos quotidianos de caminhar e permanecer, procurando ativá-los como práticas para repensar as relações que estabelecemos com os espaços e tempos da cidade. Como pode a atenção às qualidades dos espaços desprovidos de função confrontar-nos com o que reduz tudo ao seu valor de troca? Como pode a dilatação do tempo na deambulação constituir-se como forma de resistência à lógica da produtividade?

 

Depois de Partituras para ir, que − das Amoreiras ao Poço dos Negros − integrou o programa (Quase) Teatro do Bairro Alto, A cada passo, uma constelação propõe uma caminhada pela zona oriental de Lisboa, invisibilizada durante décadas e agora percebida como livre e pronta a ser reconvertida. Escavando uma rota por entre fragmentos deste território expectante, o percurso-performativo tenta ver neste pedaço de cidade uma máquina de reflexos que ilumina as presenças imprevistas que o habita(ra)m e as narrativas reais e imaginárias que incorpora.

 

Joana Braga

Sentia, ao caminhar, que os meus pensamentos se movimentavam como um caleidoscópio, a cada passo uma nova constelação

 

Walter Benjamin

Eventos Relacionados Eventos Relacionados Eventos Relacionados Eventos Relacionados
Newsletter Newsletter Newsletter Newsletter